PDT realizará Convenção Nacional dia 12/03 em Brasília

O PDT elegerá o novo Diretório Nacional no dia 12/03/2015, quinta-feira, na sede Nacional do PDT.

A convenção será das 11 às 14 horas.

PDT REDUZIRÁ 66 MEMBROS DO DIRETÓRIO NACIONAL

A novidade será a redução do número de membros do Diretório Nacional.

O novo DN eleito será constituído por 281 (duzentos e oitenta um) membros titulares e 85 (oitenta e cinco) membros suplentes, totalizando 366 (trezentos e sessenta e seis) membros.

Atualmente o DN é composto por 432 membros, entre titulares e suplentes.

O Rio de Janeiro deverá perder a maior parte dos membros, já que atualmente tem a maioria.

MARCELO CRIVELLA PODERÁ ENTRAR NO PDT

O PDT precisa mudar para poder voltar a ser o protagonista político que no passado já foi.

Talvez por isso especula-se a entrada no Rio do senador Marcelo Crivella, atualmente no PRB, que deverá disputar a prefeitura ano que vem.

Se isso acontecer, o PDT/RJ perderá imediatamente a Secretaria Municipal de Trabalho, que está com os Pedetistas desde janeiro de 2009.

Será que a direção estadual/RJ aceitará?

Leia Mais

Dilma fecha com PMDB-RJ e corta asas de Lindbergh

Epicentro da crise entre PT e PMDB, o Rio de Janeiro parece ser um caso solucionado para a presidente Dilma Rousseff; “eu tô com ela e não abro”, disse o vice-governador Luiz Fernando Pezão, que ontem foi recebido para um almoço com a presidente Dilma, ao lado do governador Sergio Cabral e do prefeito Eduardo Paes; antes desse encontro, o presidente da sigla no estado, Jorge Picciani, dizia que o PMDB estava perto de fechar com o tucano Aécio Neves, em razão da insistência do PT em lançar a candidatura do senador Lindbergh Farias (PT-RJ); ao que tudo indica, Dilma não dará muita asa a ele; “é plano do Lula”, afirmou


Um almoço realizado ontem pode ter solucionado a crise entre o Palácio do Planalto e o PMDB do Rio de Janeiro, de onde partiu a rebelião instaurada na base aliada. Nele, a presidente Dilma Rousseff recebeu o governador Sergio Cabral, o vice Luiz Fernando Pezão e o prefeito Eduardo Paes. No ponto alto do encontro, sinalizou não ter compromisso com a candidatura de Lindbergh Farias, do PT, ao Palácio Guanabara. Segundo relatos de presentes, Dilma afirmou que a candidatura do senador Lindbergh foi “inventada” pelo antecessor. “É plano do Lula”, teria dito.

Num almoço bem humorado, a presidente e o candidato ao governo do Estado pelo PMDB trocaram afagos. Dilma teria dito que não tem como ficar contra a campanha de Pezão. “Eu tô com ela e não abro. Por mais que o PT no Rio queira fazer essas intrigas, com a gente não tem isso”, afirmou, por sua vez, Pezão.

Antes desse encontro, o presidente do PMDB-RJ, Jorge Picciani, chegou a dizer que fecharia o apoio ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), caso o PT insistisse com a candidatura de Lindbergh. O líder da bancada do PMDB, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), por sua vez, atacou o “projeto hegemônico” do PT.

Pezão reassaltou ações que deverá lançar, ao lado da presidente, a partir de sua posse como governador, marcada para o início de abril. “A gente falou dos muitos projetos que fizemos e que vamos entregar nos próximos meses. Nosso foco foi esse, as parcerias e as obras são muitas e vamos seguir com elas”, disse.

Na disputa do Rio de Janeiro, Dilma terá de se equilibrar, também, entre dois aliados que aparecem à frente de Pezão nas pesquisas: o deputado e ex-governador Anthony Garotinho (PR-RJ), que lidera no Datafolha e nos demais institutos, e o ex-ministro Marcelo Crivella, do PRB.

Brasil 247

Leia Mais

Líderes de 11 partidos encaminham manifesto ao vice-governador Pezão pedindo abertura das negociações com o Sepe

Líderes de bancadas na Alerj de 11 partidos (PRB, PR, PTM, PT, PPS, PSB, PSOL, PP, PSDB, PSC, SDD) encaminharam, no dia 08 de outubro, ao vice-governador do Estado, Luiz Fernando Pezão, documento em que manifestam a preocupação com a situação dos profissionais de Educação do Estado do RJ. No texto, é pedido a abertura de um canal de negociação entre o governo e o Sepe.

SEPE/RJ

Leia Mais

Bahia: 13 legendas podem ficar sem fundo partidário

Segundo o TRE, somente 16 dos 29 partidos políticos representados no estado entregaram no prazo legal a prestação de contas de 2012; os 13 partidos em débito com a Justiça Eleitoral são PSB, PSDB, PRP, PSC, PRB, PSL, PTC, PCB, PSDC, PHS, PRTB, além de PPS e PMN, que se fundiram na criação do Mobilização Democrática (MB)

Dados do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) apontam que somente 16 dos 29 partidos políticos representados na Bahia entregaram no prazo legal a prestação de contas anual, que consiste em declaração de receitas, despesas e uso do fundo partidário em todo o ano de 2012. O prazo terminou nesta terça-feira (30).

Os 13 partidos em débito com a Justiça Eleitoral são PSB, PSDB, PRP, PSC, PRB, PSL, PTC, PCB, PSDC, PHS, PRTB, além de PPS e PMN, que se fundiram na criação do Mobilização Democrática (MB).

Conforme explicação do TRE, as legendas em situação irregular ficam sujeitas ao corte das verbas destinadas ao fundo partidário. Os relatórios serão analisados pelas respectivas instâncias da Justiça Eleitoral, que, em julgamento, vai estipular o montante e o período de suspensão dos repasses.

Brasil 247

Leia Mais

PSD receberá participação proporcional do Fundo Partidário retroativa a julho

Ministra Luciana Lóssio

A participação do Partido Social Democrático (PSD) na divisão dos recursos do Fundo Partidário será retroativa ao mês de julho e os valores devidos serão descontados de 22 agremiações que perderam para a nova legenda filiados que foram candidatos na eleição de 2010 para o cargo de deputado federal e obtiveram votos válidos. A decisão, por maioria, foi tomada na sessão administrativa do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) realizada na noite de terça-feira (28).

Assim, os valores referentes aos meses de julho e agosto serão pagos integralmente junto com a parcela de setembro. As quotas do Fundo partidário são pagas no dia 20 de cada mês.

No dia 29 de junho, o TSE concedeu ao PSD maior participação na divisão dos recursos do Fundo Partidário. Entretanto, o acórdão foi publicado no dia 27 de agosto e gerou uma divergência quanto à data para o início do pagamento: se a partir da data da decisão ou da data da publicação.

Acompanhando o voto da relatora, ministra Luciana Lóssio, a Corte decidiu que o partido tem direito à sua cota proporcional do Fundo Partidário a partir da data da decisão. Ficou vencido o ministro Arnaldo Versiani, que entendeu que tal direito só valeria a partir da publicação do acórdão.

Os valores são referentes à repartição dos 95% do Fundo que são distribuídos entre as legendas, levando-se em conta os votos recebidos pelos partidos na última eleição para a Câmara dos Deputados. Os candidatos, eleitos e não eleitos, que se filiaram ao PSD tiveram mais de 6 milhões de votos nas eleições de 2010.

O Partido vinha recebendo apenas o percentual mínimo – rateio dos 5% do Fundo Partidário, que são distribuídos igualitariamente entre os partidos -, equivalente a pouco mais de R$ 40 mil por mês. Com a decisão de junho deste ano, o PSD receberá mais de R$ 1 milhão por mês.

O TSE reiterou que partido recém-criado tem direito ao acesso aos 95% das verbas do Fundo Partidário de acordo com a votação nominal recebida por cada filiado candidato nas últimas eleições para a Câmara dos Deputados, ainda que não eleito, que tenha migrado para a nova legenda.

As legendas que perderam votos para o PSD são: DEM, PCdoB, PDT, PHS, PMDB, PMN, PP, PPS, PR, PRB, PRTB, PSB, PSC, PSDB, PSDC, PSL, PT, PT do B, PTB, PTC, PTN E PV.

TSE

Leia Mais

Eleições 2012 na cidade do Rio de Janeiro

Façam suas apostas…
Começou a guerra.
Oito candidatos disputam uma vaga para prefeito.
São eles:
Antonio Carlos Silva vai disputar pelo PCO, tem o número 29 na urna. O partido não fez coligação na majoritária.
Aspásia Brasileiro Alcântara de Camargo vai disputar pelo PV, tem o número 43 na urna. O PV não fez coligação na majoritária.
Cyro Garcia vai disputar mais uma vez pelo PSTU, tem o número 16 na urna. O PSTU não fez coligação na majoritária.
Eduardo da Costa Paes vai disputar a reeleição pelo PMDB, tem o número 15 na urna. O PMDB faz parte da coligação “Somos um Rio”, que tem os partidos PRB/PP/PDT/PT/PTB/PMDB/PSL/PTN/PSC/PPS/PSDC/PRTB/PHS/PMN/PTC/PSB/PRP/PSD/PCdoB/PTdoB.
Fernando Leite Siqueira vai disputar pelo PPL, tem o número 54 na urna. O PPL não fez coligação na majoritária.
Marcelo Ribeiro Freixo vai disputar pelo PSOL, tem o número 50 na urna. O partido não fez coligação.
Otavio Santos da Silva Leite vai disputar pelo PSDB, tem o número 45 na urna. O PSDB não fez coligação.
Rodrigo Felinto Ibarra Epitácio Maia vai disputar pelo DEM, tem o número 25 na urna. O DEM faz parte da coligação “Um Rio Melhor para os Cariocas”, com o PR.
Essa é a minha primeira análise sobre os futuros vereadores da cidade do Rio de Janeiro.
A próxima análise será feita na primeira semana de agosto.
Com 51 cadeiras, a Câmara de Vereadores poderá ter uma grande renovação.
Os atuais vereadores são:
Adilson Pires – PT
Alexandre Cerruti – DEM
Aloisio Freitas – PSD
Andrea Gouvêa Vieira – PSDB
Argemiro Pimentel – PMDB
Bencardino – PTC
Carlinhos Mecânico – PSD
Carlo Caiado – DEM
Carlos Bolsonaro – PP
Carminha Jerominho – PTdoB
Chiquinho Brazão – PMDB
Cristiane Brasil – PTB
Dr. Carlos Eduardo – PSB
Dr. Edison da Creatinina – PV
Dr. Eduardo Moura – PSC
Dr. Fernando Moraes – PMDB
Dr. Jairinho – PSC
Dr. João Ricardo – PSDC
Dr. Jorge Manaia – PDT
Eider Dantas – DEM
Eliomar Coelho – PSOL
Elton Babú – PT
Guaraná – PMDB
Ivanir de Mello – PP
João Cabral – PMDB
João Mendes de Jesus – PRB
Jorge Braz – PMDB
Jorge Felippe – PMDB
Jorge Pereira – PTdoB
Jorginho da SOS – PMDB
José Everaldo – PMN
Leonel Brizola Neto – PDT
Luiz Carlos Ramos – PSDC
Marcelo Piuí – PHS
Marcia Teixeira – PR
Nereide Pedregal – PDT
Patrícia Amorim- PMDB
Paulo Messina – PV
Paulo Pinheiro – PSOL
Professor Uóston – PMDB
Reimont – PT
Renato Moura – PTC
Roberto Monteiro – PCdoB
Rosa Fernandes – PMDB
Rubens Andrade – PSB
S. Ferraz – PMDB
Sonia Rabello – PV
Tânia Bastos – PRB
Teresa Bergher – PSDB
Tio Carlos – DEM
Vera Lins – PP
De acordo com as informações do TSE, referente ao registro das candidaturas, a nova Câmara de Vereadores poderá ficar assim:
PSOL – 02 cadeiras (lutam por essas cadeiras os atuais vereadores Paulo Pinheiro e Eliomar Coelho, além do Jefferson Moura);
PDT – 03 cadeiras (os atuais vereadores Leonel Brizola Neto, Nereide Pedregal e Dr. Jorge Manaia deverão ser reeleitos. A incógnita será o filho da deputada estadual Cidinha Campos, Ricardo Campos, que terá máquina política da mãe para tentar conseguir uma das três cadeiras do partido);
PSD – 02 cadeiras;
PR – 03 cadeiras;
PSDB – 03 cadeiras;
PMDB/PSC – 10 cadeiras;
PT – 04 cadeiras (o ex-deputado federal Carlos Santana, o ex vereador Edmilson Dias, Edson Zanata e Marcelo Sereno, que foram bem votados nas eleições anteriores, vão disputar com os atuais vereadores Reimont e Jorge Babú);
DEM – 04 cadeiras (o ex-prefeito Cesar Maia será o vereador mais votado);
PCdoB – 01 cadeiras (o atual vereador Roberto Monteiro vai disputar essa vaga  com o Pastor Alan Pereira, irmão do pastor Marcos Pereira, da Assembleia de Deus dos Últimos Dias, apesar da sede da igreja ser em São João de Meriti);
PTC/PSL – 01 cadeira (será uma eleição muito disputada entre os atuais vereadores Renato Moura e Bencardino);
PSB – 02 cadeiras;
PP – 02 cadeiras (dos três atuais vereadores, um vai sobrar);
PTdoB – 02 cadeiras (Carminha Jerominho, Jorge Pereira e Charles Henriquepédia brigam por elas);
PV – 01 cadeira;
PSDC/PMM – 02 cadeiras;
PTN – 01 cadeira;
PPS – 01 cadeira;
PTB – 03 cadeiras;
PRB – 03 cadeiras (Os atuais vereadores Tânia e João Mendes de Jesus terão a compania do Wagner Montes, o filho, que deverá ser o mais votado da legenda);
PRTB/PRP – 01 cadeira;
Se algum partido não foi cidato é porque não elegerá ninguém.

Façam suas apostas…

Começou a guerra.

Oito candidatos disputam uma vaga para prefeito.

São eles:

Antonio Carlos Silva, que vai disputar pelo PCO, tem o número 29 na urna. O partido não fez coligação na majoritária.

Aspásia Brasileiro Alcântara de Camargo vai disputar pelo PV, tem o número 43 na urna. O PV não fez coligação na majoritária.

Cyro Garcia vai disputar mais uma vez pelo PSTU, tem o número 16 na urna. O PSTU não fez coligação na majoritária.

Eduardo da Costa Paes vai disputar a reeleição pelo PMDB, tem o número 15 na urna. O PMDB faz parte da coligação “Somos um Rio”, que tem os partidos PRB, PP, PDT, PT, PTB, PSL, PTN, PSC, PPS, PSDC, PRTB, PHS, PMN, PTC, PSB, PRP, PSD, PCdoB e PTdoB.

Fernando Leite Siqueira vai disputar pelo PPL, tem o número 54 na urna. O PPL não fez coligação na majoritária.  Será a primeira eleição do Partido da Pátria Livre.

Marcelo Ribeiro Freixo vai disputar pelo PSOL, tem o número 50 na urna. O partido não fez coligação.

Otavio Santos da Silva Leite vai disputar pelo PSDB, tem o número 45 na urna. O PSDB não fez coligação.

Rodrigo Felinto Ibarra Epitácio Maia vai disputar pelo DEM, tem o número 25 na urna. O DEM faz parte da coligação “Um Rio Melhor para os Cariocas”, com o PR.

Essa é a minha primeira análise sobre os futuros vereadores da cidade do Rio de Janeiro.

câmara de vereadores do Rio

A próxima análise será feita na primeira semana de agosto.

Com 51 cadeiras, a Câmara de Vereadores poderá ter uma grande renovação.

Os atuais vereadores são:

Adilson Pires – PT

Alexandre Cerruti – DEM

Aloisio Freitas – PSD

Andrea Gouvêa Vieira – PSDB

Argemiro Pimentel – PMDB

Bencardino – PTC

Carlinhos Mecânico – PSD

Carlo Caiado – DEM

Carlos Bolsonaro – PP

Carminha Jerominho – PTdoB

Chiquinho Brazão – PMDB

Cristiane Brasil – PTB

Dr. Carlos Eduardo – PSB

Dr. Edison da Creatinina – PV

Dr. Eduardo Moura – PSC

Dr. Fernando Moraes – PMDB

Dr. Jairinho – PSC

Dr. João Ricardo – PSDC

Dr. Jorge Manaia – PDT

Eider Dantas – DEM

Eliomar Coelho – PSOL

Elton Babú – PT

Guaraná – PMDB

Ivanir de Mello – PP

João Cabral – PMDB

João Mendes de Jesus – PRB

Jorge Braz – PMDB

Jorge Felippe – PMDB

Jorge Pereira – PTdoB

Jorginho da SOS – PMDB

José Everaldo – PMN

Leonel Brizola Neto – PDT

Luiz Carlos Ramos – PSDC

Marcelo Piuí – PHS

Marcia Teixeira – PR

Nereide Pedregal – PDT

Patrícia Amorim- PMDB

Paulo Messina – PV

Paulo Pinheiro – PSOL

Professor Uóston – PMDB

Reimont – PT

Renato Moura – PTC

Roberto Monteiro – PCdoB

Rosa Fernandes – PMDB

Rubens Andrade – PSB

S. Ferraz – PMDB

Sonia Rabello – PV

Tânia Bastos – PRB

Teresa Bergher – PSDB

Tio Carlos – DEM

Vera Lins – PP

De acordo com as informações do TSE, referente ao registro das candidaturas, a nova Câmara de Vereadores poderá ficar assim:

PSOL – 02 cadeiras (lutam por essas cadeiras os atuais vereadores Paulo Pinheiro e Eliomar Coelho, além do Jefferson Moura);

PDT – 03 cadeiras (os atuais vereadores Leonel Brizola Neto, Nereide Pedregal e Dr. Jorge Manaia deverão ser reeleitos. A incógnita será o filho da deputada estadual Cidinha Campos, Ricardo Campos, que terá máquina política da mãe para tentar conseguir uma das três cadeiras do partido);

PSD – 02 cadeiras;

PR – 03 cadeiras; (Fernando Peregrino será o mais votado da legenda. A grande aposta é com o blogueiro Ricardo Gama, que poderá surpreender nas urnas)

PSDB – 03 cadeiras;

PMDB/PSC – 10 cadeiras;

PT – 04 cadeiras (o ex-deputado federal Carlos Santana, o ex vereador Edmilson Dias, Edson Zanata e Marcelo Sereno, que foram bem votados nas eleições anteriores, vão disputar com os atuais vereadores Reimont e Jorge Babú);

DEM – 04 cadeiras (o ex-prefeito Cesar Maia será o vereador mais votado);

PCdoB – 01 cadeiras (o atual vereador Roberto Monteiro vai disputar essa vaga  com o Pastor Alan Pereira, irmão do pastor Marcos Pereira, da Assembleia de Deus dos Últimos Dias, apesar da sede da igreja ser em São João de Meriti);

PTC/PSL – 01 cadeira (será uma eleição muito disputada entre os atuais vereadores Renato Moura e Bencardino);

PSB – 02 cadeiras (O partido aposta no Oscar Berro);

PP – 02 cadeiras (dos três atuais vereadores, um vai sobrar);

PTdoB – 02 cadeiras (Carminha Jerominho, Jorge Pereira e Charles Henriquepédia brigam por elas);

PV – 01 cadeira;

PSDC/PMM – 02 cadeiras;

PTN – 01 cadeira;

PPS – 01 cadeira;

PTB – 03 cadeiras;

PRB – 03 cadeiras (Os atuais vereadores Tânia e João Mendes de Jesus terão a compania do Wagner Montes, o filho, que deverá ser o mais votado da legenda);

PRTB/PRP – 01 cadeira;

Se algum partido não foi cidato é porque não elegerá ninguém.

Leia Mais

Adolpho Konder será o candidato do PDT para a Prefeitura de São Gonçalo

O PDT lança hoje a candidatura de Adolpho Konder à Prefeitura de São Gonçalo. O partido também vai oficializar os nomes de 300 aspirantes à Câmara de Vereadores.
A coligação conta com mais nove legendas: PT, PCdoB, PRB, PMN, PTC, PPL, PRT, PSD, PSC. O vice na chapa é o vereador pestista Miguel Moraes.
Este Blog estará lá para prestigiar o companheiro pedetista.

Adolpho Konder na convnção

O PDT lança hoje (24) a candidatura de Adolpho Konder à Prefeitura de São Gonçalo. O partido também vai oficializar os nomes de 300 aspirantes à Câmara de Vereadores.

A coligação conta com mais nove legendas: PT, PCdoB, PRB, PMN, PTC, PPL, PRT, PSD, PSC. O vice na chapa é o vereador pestista Miguel Moraes.

O evento será na Vive Show, no bairro do Grandim, às 14 horas.

Este Blog estará lá para prestigiar o companheiro pedetista.

Leia Mais

Fortunati é oficializado como primeiro candidato à prefeitura de Porto Alegre

O atual prefeito, do PDT, terá o apoio de 10 partidos para concorrer à reeleição
Com apoio de 10 partidos, o PDT oficializou neste domingo o nome de José Fortunati como primeiro candidato a prefeito na eleição de Porto Alegre.
Ele terá como vice o vereador Sebastião Melo, que foi confirmado no sábado, na convenção do PMDB.
Em seu primeiro pronunciamento como candidato, Fortunati, que foi eleito por unanimidade pelos 150 votantes, destacou realizações do projeto iniciado em 2005 no governo de José Fogaça e deu ênfase à educação.
— A grande transformação social vem pela educação — afirmou, valorizando a ampliação de projetos de turno integral.
O candidato disse ainda que pretende fazer uma campanha propositiva e “sem ranços”.
Durante o encontro do PDT, também foi homologada a nominata de 35 candidatos a vereador pelo partido.
Nesta segunda-feira, o Democratas fará o ato de apoio à coligação, que já tem o apoio formal de PDT,PMDB,PP, PTB, PPS,PRB, PMN, PRP,PRTB e PTdoB.
Zero Hora

O atual prefeito, do PDT, terá o apoio de 10 partidos para concorrer à reeleição

José Fortunati será candidato a reeleição em POA

Com apoio de 10 partidos, o PDT oficializou neste domingo o nome de José Fortunati como primeiro candidato a prefeito na eleição de Porto Alegre.

Ele terá como vice o vereador Sebastião Melo, que foi confirmado no sábado, na convenção do PMDB.

Em seu primeiro pronunciamento como candidato, Fortunati, que foi eleito por unanimidade pelos 150 votantes, destacou realizações do projeto iniciado em 2005 no governo de José Fogaça e deu ênfase à educação.

— A grande transformação social vem pela educação — afirmou, valorizando a ampliação de projetos de turno integral.

O candidato disse ainda que pretende fazer uma campanha propositiva e “sem ranços”.

Durante o encontro do PDT, também foi homologada a nominata de 35 candidatos a vereador pelo partido.

Nesta segunda-feira, o Democratas fará o ato de apoio à coligação, que já tem o apoio formal de PDT,PMDB,PP, PTB, PPS,PRB, PMN, PRP,PRTB e PTdoB.

Zero Hora

Leia Mais

TRE-RJ suspende julgamento de prefeito de Angra dos Reis

Um pedido de vista do desembargador Edson Aguiar de Vasconcelos interrompeu, nesta terça-feira, dia 5, o julgamento do prefeito de Angra dos Reis, Artur Otávio Scapin Jordão Costa, o Tuca Jordão, e do vice-prefeito, José Essiomar Gomes da Silva. Relator do processo, o corregedor regional eleitoral, juiz Antonio Augusto de Toledo Gaspar, pediu a condenação por abuso de poder político e econômico, cometido durante a campanha eleitoral de 2008. O juiz Roberto Ayoub também votou pela cassação. Os demais julgadores decidiram aguardar a sessão do próximo dia 12, quando o Recurso Contra Expedição de Diploma (RCD) volta a ser julgado.
Tuca Jordão e José Essiomar já haviam sido punidos pelas mesmas irregularidades em 2010, numa Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE). À época, o TRE-RJ decretou a inelegibilidade deles por três anos, como previa a legislação, hoje alterada pela LC 135, a Lei do Ficha Limpa. Com base naquela decisão, já transitada em julgado, o Ministério Público Eleitoral ajuizou o Recurso Contra a Expedição do Diploma. No voto que pediu a cassação do prefeito e do vice, o relator do processo, juiz Antonio Augusto Gaspar, considerou as provas constituídas na AIJE julgada pelo Colegiado do Tribunal em 2010.
Com o apoio do então prefeito, Fernando Jordão, Tuca Jordão e José Essiomar concorreram em 2008 pela coligação Continua Angra (PMDB, PP PHS, PRB, PSDC, PSC, DEM, PR, PSL, PTN, PSDB, PRB, PTB, PCdoB, PTdoB). As candidaturas deles teriam sido beneficiadas por uma pesquisa contratada pela Prefeitura em 3 de dezembro de 2007. O então prefeito Fernando Jordão pagou R$ 1.230.000 à empresa Listen para que fosse formado um banco de dados sobre os anseios e necessidades da população de Angra dos Reis, um projeto denominado “Angra Quer Ouvir Você”. A pesquisa distribuiu formulários em 70 mil lares num município que possuía então 105 mil eleitores.
Com duração prevista de um ano, ela se encerrou em 2 de dezembro de 2008, a 28 dias do fim da gestão do prefeito Fernando Jordão. Na campanha da chapa liderada por Tuca Jordão, o PMDB encomendou outra pesquisa à empresa Expertise, orçada em R$ 32.665,00. Realizada de 6 de agosto a 5 de outubro, a pesquisa “Tuca Quer Ouvir Você” teria sido apenas um artifício para utilizar as informações colhidas na pesquisa anterior. “Trata-se de uso abusivo da máquina pública, pela utilização em larga escala da pesquisa contratada pela municipalidade”, disse o relator em seu voto.
TRE-RJ

tuca-e-essiomar

Um pedido de vista do desembargador Edson Aguiar de Vasconcelos interrompeu, na terça-feira, dia 5, o julgamento do prefeito de Angra dos Reis, Artur Otávio Scapin Jordão Costa, o Tuca Jordão, e do vice-prefeito, José Essiomar Gomes da Silva. Relator do processo, o corregedor regional eleitoral, juiz Antonio Augusto de Toledo Gaspar, pediu a condenação por abuso de poder político e econômico, cometido durante a campanha eleitoral de 2008. O juiz Roberto Ayoub também votou pela cassação. Os demais julgadores decidiram aguardar a sessão do próximo dia 12, quando o Recurso Contra Expedição de Diploma (RCD) volta a ser julgado.

Tuca Jordão e José Essiomar já haviam sido punidos pelas mesmas irregularidades em 2010, numa Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE). À época, o TRE-RJ decretou a inelegibilidade deles por três anos, como previa a legislação, hoje alterada pela LC 135, a Lei do Ficha Limpa. Com base naquela decisão, já transitada em julgado, o Ministério Público Eleitoral ajuizou o Recurso Contra a Expedição do Diploma. No voto que pediu a cassação do prefeito e do vice, o relator do processo, juiz Antonio Augusto Gaspar, considerou as provas constituídas na AIJE julgada pelo Colegiado do Tribunal em 2010.

Com o apoio do então prefeito, Fernando Jordão, Tuca Jordão e José Essiomar concorreram em 2008 pela coligação Continua Angra (PMDB, PP PHS, PRB, PSDC, PSC, DEM, PR, PSL, PTN, PSDB, PRB, PTB, PCdoB, PTdoB). As candidaturas deles teriam sido beneficiadas por uma pesquisa contratada pela Prefeitura em 3 de dezembro de 2007. O então prefeito Fernando Jordão pagou R$ 1.230.000 à empresa Listen para que fosse formado um banco de dados sobre os anseios e necessidades da população de Angra dos Reis, um projeto denominado “Angra Quer Ouvir Você”. A pesquisa distribuiu formulários em 70 mil lares num município que possuía então 105 mil eleitores.

Com duração prevista de um ano, ela se encerrou em 2 de dezembro de 2008, a 28 dias do fim da gestão do prefeito Fernando Jordão. Na campanha da chapa liderada por Tuca Jordão, o PMDB encomendou outra pesquisa à empresa Expertise, orçada em R$ 32.665,00. Realizada de 6 de agosto a 5 de outubro, a pesquisa “Tuca Quer Ouvir Você” teria sido apenas um artifício para utilizar as informações colhidas na pesquisa anterior. “Trata-se de uso abusivo da máquina pública, pela utilização em larga escala da pesquisa contratada pela municipalidade”, disse o relator em seu voto.

TRE-RJ

Leia Mais